sexta-feira, 30 de dezembro de 2011

Frutas:


“não tenho
mágoa
meu peito é de
sal de fruta
fervendo no copo
d’água” Tom Zé


Essa mulher riu pra mim
na rua.
Essa mulher com frutas
nos olhos
e legumes nas sacolas.
Sem perspectiva de um
abraço reconciliador,
flores mergulham do céu,
(como um visgo abraça a dor)

Raphael Vidigal

Pintura: “Flora”, de Giuseppe Arcimboldo.

quinta-feira, 29 de dezembro de 2011

Cruzes:


“Dá-me a tua mão desconhecida, que a vida está me doendo, e não sei como falar – a realidade é delicada demais, só a realidade é delicada, minha irrealidade e minha imaginação são mais pesadas.” Clarice Lispector

Madrigal de cruzes
Na tua passagem
Gritos, malabares
Enfileiram luzes
E é só o sumiço
De um eterno baile
Sobe paraísos
Nas cartas em braile

Raphael Vidigal

Xilogravura: “Capela São Francisco”, de Armando Almeida.

quarta-feira, 28 de dezembro de 2011

Aglaia:


“Adentro avesso e o reto
É vulva aberta, mucosa
No inferno de nossos dentros.” Araripe Coutinho


Transforme as noites em dia
E os dias em madrugada
Que por trás de alcovas esgarças
Esmaecerão sais de prata
Resplandecerá a aurora gasta

Raphael Vidigal

Pintura: “Mulher e maçã”, de Cícero Dias

terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Química literária:


“E a matéria mata.” Manuel Bandeira

A Química Me Parece Tão Mínima
Ante Da Imensidão Das Palavras
Pois Se Da Pira Extrai-se Um Átomo
Na Literatura Recolhe-se Um Átimo
E És Tesouro Intocável E Relutante
Quanto O Resultado De Inspirações
Aspirantes

Imagem: “Serigrafia sem título”, de Antonio Maluf.

Raphael Vidigal

domingo, 18 de dezembro de 2011

Trigo:


“Os santos, cobertos de espinhos.
Os poetas, cingidos de cardos.” Cecília Meireles


Estilhaços Indolentes
rastros
No asfalto

Cravo Pertinentes
traços
Sois paio

Trigo
Triturado

Solene
Rachadura

Bardos Bacos
Diletantes
Harmonias
Instauradas

Sob
Um parco
Tenebrismo
Caravaggio

Raphael Vidigal

Pintura: “O Pequeno Baco Doente”, de Caravaggio.

sábado, 17 de dezembro de 2011

Vestido Negrume:


“ver que ela estava vestindo uma blusa solta e uma longa saia preta que caía em cascata.” Truman Capote

Você ainda não era você para mim naquele instante
No vão da escada te vi ao alto
Bordas e lustres de euforia abajur
Acenou-me ao virar as linhas
Rodar a saia do vestido negrume
Você ainda não é você pra mim nesse instante
Quando te alcanço
E transito os dedos
Por seios imaturos

Raphael Vidigal

Pintura: “Retrato de Madame X”, de Sargent.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2011

Inventando:


“e o pelejador não entende,
quer escrever as coisas com as palavras.” Adélia Prado


Etéreo
Estéril
Éter na mete

Sensível
Sônico
Clari vidente

Tônico
Comprimido
Lúdico

Receita para poesia.

Raphael Vidigal

Pintura: “Oriflammes”, de Dubuffet.

quarta-feira, 14 de dezembro de 2011

Vaidade de Escritores:


Não há necessidade da palavra final
Isso é vaidade de escritores
Começo eu
Termina o que veio antes

“Pois te entender é o ato de destruir” Arrigo Barnabé

Pintura: “Lausanne Abstract”, de Francis Picabia.

Raphael Vidigal

terça-feira, 13 de dezembro de 2011

O Verdadeiro Vaidoso:


Ele era o verdadeiro vaidoso
Pois assombrava pérolas no jardim
Da sala
Com seu chapéu na mão
Cheirando a brasa
Exibindo sua natureza incauta
No desdém cerimonioso

“Eu te amo como se ama um passarinho morto.” Manuel Bandeira

Raphael Vidigal

Pintura: “Retrato de Jeanne sentada - 1918”, de Modigliani.

sábado, 10 de dezembro de 2011

Caminhos:


“Perdoe a minha precariedade e as minhas tentativas inábeis, desajeitadas, de segurar a maçã no escuro. Me queira bem.” Caio Fernando Abreu

Um dia você vai perceber, que as coisas pelas quais você briga não têm o menor sentido
e o amor já não adianta,
o amor não basta nada.
Pois nessa vida insuficiente completar o vão do outro é mera tentativa brusca-tola.
De repente o único caminho é insalubre,
Dilacerações, despedidas constantes, alegria em gotas
Amor aos borbotões, mas amor aos borrões.

Raphael Vidigal

Pintura: “Two Figures”, de Egon Schiele.

quinta-feira, 8 de dezembro de 2011

Imprecisas (traduções):


“Saudade é uma coisa azul e amarga, com carne por fora e espinho por dentro.” Caio Fernando Abreu

Greta Garbo
Veronica Voss
Mata Hari
Olho da manhã

Iluminada
Claras luzes
de artifício

Coisas sem motivo ainda acontecem muito muito muito
Como chuva chuva chuva


Pintura: “Carinhoso”, de José Roberto Aguilar.

Raphael Vidigal

terça-feira, 6 de dezembro de 2011

Secreto:


“Por que bares andaste bebendo melancolia?” Manuel Bandeira

Nunca pensei que esses olhos me olhariam,
tão indiferentes

Que passassem por mim como se eu fosse,
um nada

Mas o amor,
reside nos corações selvagens
Mesmo o amor, resiste nos corações
Secreto


Raphael Vidigal

Escultura: “Abandono”, de Camille Claudel.

segunda-feira, 5 de dezembro de 2011

Diamante:


“quem descobriria sob aquela aparência o dourado violento?” Clarice Lispector

Importa
Como o pássaro
Foi capturado?

Como se lhe
Arrancou
Os dentes?

Como o coração
Cuspiu
As entranhas?

No diamante lapidado
Sem esforço
Não há maior valor
Ou piores atributos
Que o encharcado
De suor

Importa
Que este seja diamante
Ou reflexo em espiral
Ou engano aterrador

Raphael Vidigal

pintura: obra do artista plástico Wesley Duke Lee.

sexta-feira, 2 de dezembro de 2011

Desvios:


“Esses livros que eu leio causam sensações” Luiz Melodia

Muita leitura
Acarretou-me
Esses desvios

Muita brandura
Descarrilou-me
Esses suspiros

Esses detritos
Lado a lado
zen deitado
Ao meu destino


Raphael Vidigal

Pintura: “Banhistas”, de Erich Heckel.

quarta-feira, 30 de novembro de 2011

Misericórdia:


“Ninguém alguma vez escreveu ou pintou, esculpiu, modelou, construiu ou inventou senão para sair do inferno.” Artaud

Porque Deus é tão misericordioso
E tão destituído de misericórdia?

Só concedendo a alguns o privilégio do talento.


Raphael Vidigal

Pintura: “Auto retrato”, de Francis Bacon.

terça-feira, 29 de novembro de 2011

Sono:


“Neblina...nunca se sabe aonde vai. Só aquele velho diabo, o mar. Ele sabe.” Eugene O’Neill

Permita-me o decoro
Do não toque
Do não afeto

Pois meu amor
Quer toque
Sem contato

Quer afeto
Sem embaraço

Que o meu amor
É decréscimo e vaidade
Beijo defronte espelho
Apaga
No sono eterno
Amém

Pintura: “Paisagem com a queda de Ícaro”, de Peter Bruegel, O Velho.

Raphael Vidigal

sábado, 26 de novembro de 2011

Burburinho:


“E haverá outro modo de salvar-se? Senão o de criar as próprias realidades?” Clarice Lispector

Ouve um burburinho
Silencioso
Apenas ele escutou
E seu Deus morto

Ouve um burburinho
Na sala
Quando Nietzsche
Apostos

Houve um Nietzsche
Na sala
Um burburinho desaparece
Quando

Raphael Vidigal

Pintura: Obra do artista-cientista-plástico Guto Lacaz.

quarta-feira, 23 de novembro de 2011

Cavalo alado:


“e sem estrela para me guiar, só a perdição me guiando, só o descaminho me guiando – até que, quase morta pelo êxtase do cansaço, iluminada de paixão, eu enfim encontrara o escrínio. E no escrínio, a faiscar de glória, o segredo escondido.” Clarice Lispector

O encantamento fastio
Desvencilhou-se
Do alarido

Ao lado cavalo alado
Aquém, alheio, apático
Bucólico

Sua coragem vinha de não ter quem se preocupasse
Seu coração vinha de súbitas tempestades


Raphael Vidigal

Gravura: “Cavalo raptor”, de Goya.

terça-feira, 22 de novembro de 2011

Estímulo:

“eu não sou, como eles, treinado a buscar o conhecimento ao estilo de quebrar nozes. Amo a liberdade e o ar sobre a terra fresca; eu preferiria dormir em estábulos a dormir em suas etiquetas e respeitabilidades.” Nietzsche

Um bando
Dos mais célebres
Idiotas
Corresponde melhor a um estímulo
Do que um poeta
Um poeta
Não corresponde a estímulos
Mas de fases
E faces outras
Frases
Coladas e soltas

“cuja cabeça é apenas as entranhas do coração.” Nietzsche

Raphael Vidigal

Gravura: “Asta su Abuelo”, de Goya.

segunda-feira, 21 de novembro de 2011

Tentaram me capturar: borboletas


“e você meio cego, meio tonto, só sabe que tem que continuar, meio sem esperança, as ilusões despedaçadas, o coração taquicárdico, língua seca, e continuando.” Caio Fernando Abreu

Tentaram Me Captar
Dormindo
Mas Eu,
Sonhava

Tentaram Me Captar Comendo
Eu Vomitava

Tentaram, Por Fim, Me Captar Vivendo
Enquanto
Morria

“É uma borboleta amarela? Ou é uma flor que se desprendeu e que não quer tombar?” Mario Quintana

Raphael Vidigal

Pintura: “Several Circles”, de Kandinsky.

quinta-feira, 17 de novembro de 2011

Núcleo:


“cujos olhos verdes avaliadores pareciam lascas de mar, a havia olhado de cima, havia olhado através dela e iluminado o espelho partido de suas vaidades com a luz de um holofote:” Truman Capote

desmascarar Convenções
sociais de Comportamento
nutridas de Hipocrisia

Quero ver esse núcleo
Eu sou o anti-pose
Que por si só
Repousa

Eu sou o anti-lógica
que por si, só
Sonha


Raphael Vidigal

Pintura: Gato e pássaro, de Paul Klee.

quarta-feira, 16 de novembro de 2011

Rima:


“no Paraíso não existe nem ética nem política; somente estética.” Nicolas Berdjaev

Poesia não é rima
É feito

Poesia não é som
Efeito

Poesia não é cria
É feita

Poesia é um pretérito
Imperfeito

Poesia é um pretexto
Perfeito

Poesia é um sujeito
É feita do EFeito do imperfeito e do perfeito

“... e uma criança pequena os guiará.” Isaías 11,6.

Pintura: “Nu deitado”, de Modigliani.

Raphael Vidigal

sexta-feira, 11 de novembro de 2011

Lei:


“Detesto a severidade barata da ética abstrata.” Oscar Wilde

Na vida tudo compensa

Dor; alivia
Prazer; rói

Vale a pluma?
Mas tudo é compensatório
suspensório de mel e do rublo (rubro?)

Imagem: “Acrílico sem tela”, de Amilcar de Castro.

Raphael Vidigal

quinta-feira, 10 de novembro de 2011

Mostra:


“Se a gente amar um bicho selvagem, vai acabar olhando para o céu.” Truman Capote

Entre o esforço e o talento há um abismo

Há um foco um fosso um ato

Roa o osso

O ócio o ópio oco

Mais tarde mostra os dentes

Depois salive os entes.


Pintura: “Menino com cesto de frutas”, de Caravaggio.

Raphael Vidigal

segunda-feira, 7 de novembro de 2011

Do lado do poço do poço do poço do poço:


Laio e Logun Edé
Onde está Crisipo
No lago?
Escoltado até a morte!

Constatação alienígena: o ser humano é uma raça pobre.
Que enriquece sem saber por que

Ele é apenas treinado para quê.

“O que amas de verdade permanece, o resto é escória” Ezra Pound

Pintura: “La Forêt”, de Cézanne.

Raphael Vidigal

sexta-feira, 4 de novembro de 2011

Enigma:


“O segredo da vida é a arte.” Oscar Wilde

Pa
Bo
En
Mei
Pal
A (rra) sta


Quadrado Mágico Imaginário: Porto Alegre Botucatu Engenho de Dentro Meia-Noite
Palmas A Senhorita + Para Bom Entendedor Meia Palavra Arrasta + A Escolha É Tua + !!!

Esteja atento aos sinais, inclusive entre.

Raphael Vidigal

Pintura: “Great Metaphysical Interior”, de Giorgio de Chirico.

quarta-feira, 2 de novembro de 2011

Idade do tempo:


“Destruir antes que cresça. Com requintes, com sofreguidão, com textos que me vêm prontos e faces que se sobrepõe às outras. Para que não me firam, minto.” Caio Fernando Abreu

Durante um ano a gente se acostuma a chamá-lo por um nome
Água, Águia, Fome
No seguinte,
somos obrigados a adquirir novos hábitos
Sede, Vôo, Morte
E a chamá-lo, a partir desta data,
Novamente,
por uma outra, mais requisitada
definhar-se
Graça

Imagem: Obra do artista plástico Leonílson.

Raphael Vidigal

terça-feira, 1 de novembro de 2011

meias palavras:


“Nossas ruas eram frias
Como os homens desses dias
Engrenagens tão sombrias
Esquecidas pelos deuses
A pulsar em vão” Arrigo Barnabé


em meias palavras; em duras verdades
o jacaré é o inventor da lagartixa
da qual a cobra ainda sobrevive

em meias palavras; em duras verdades
cada hora a foice se aproxima
espera solene o fecho da cortina

em meias palavras; em duras verdades
quem foi louco há muito se inicia
no rito fantástico que os aglutina

em meias palavras; em duras verdades
há de me dizer narrador quem desconhece a vida
e vê na morte a única guarida

em meias palavras
as duras verdades
que escutei ourives
que escutei alferes
que apontei o dia, o sol,
cria Tua.

Raphael Vidigal

Pintura: “Dança”, de Mario Cravo.

sexta-feira, 28 de outubro de 2011

Fazer o que se espera?


“O movimento das rodas me desanuvia os tendões duros. Os navios me iluminam. Pedalo de maneira insensata.” Ana Cristina Cesar

Alumbraram o deslumbramento
Pede passagem
Assim sem linguagem
Sintaxe do ser
Sentido nicho
Barriga do umbigo

Pectíneo!

Uma a uma
Todas as pessoas
(primeiras, segundas, terceiras)
Eu desapontei.

Raphael Vidigal

Pintura: "Series I, No. 3", de Georgia O'Keeffe.

quinta-feira, 27 de outubro de 2011

maior sentimento:


“Abraça tua loucura antes que seja tarde demais” Caio Fernando Abreu

No riso e na lágrima
Na bonança e na tempestade
Tenho por você o maior sentimento
Que constrói
E renasce
Sem nunca ser destruído
Nem morrer jamais:

AMOR

Raphael Vidigal

Pintura: Rapariga com brinco de pérola, de Vermeer.

quarta-feira, 26 de outubro de 2011

Canto:


“A rosa não tem porquês.
Ela floresce porque floresce.” Ângelo Silésio



O coelho que gosta de canto
É o gato que gosta de canto
É o cachorro que gosta de canto

O canto do pássaro é o outro canto
Do coelho, do gato, do cachorro

Um se esquiva, nas quinas
Outro amostra, nas notas


Pintura: Três bocas molhadas, de Hans Arp.

Raphael Vidigal

terça-feira, 25 de outubro de 2011

Surpresa:


“Cante-me um arco-íris, roube-me um sonho” Tom Waits

Quando enfim morrermos
Quem se surpreenderá?
O ateu que não acreditava?
Ou o crente que esperava?


Ilustração: “A Cigarra e a Formiga”, de Gustave Doré.

Raphael Vidigal

segunda-feira, 24 de outubro de 2011

Título auto-explicativo: A Eternidade Das Palavras (Maleáveis) Frente À Transitoriedade Dos Gestos (Rijos)


“o cravo brigou com a rosa”

Tom Zé
Jards Macalé
Arrigo Barnabé

Quem com verbo fere com ferro será ferido
Quem com ferro fere com verbo sairá ferido

Barnabé
Macalé


“o cravo saiu ferido, e a rosa despedaçada”

Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Guignard.

quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Um profundo abatimento II: uma certa fome


“Se a natureza não é contra nós, também não é por nós.” Herman Melville

Esse velhinho
me perturba
Esse velhinho
da rua
Esse velhinho
sem nome
novelinho
que daqui a 80 anos
já estará morto.

Pintura: “Dois velhos comendo sopa”, de Goya.

Raphael Vidigal

quarta-feira, 19 de outubro de 2011

Navegar:


“Uma teoria pode provar sua própria consistência se, e somente se, for inconsistente." Gödel

Nessa enxurrada
Saber nadar
É um perigo
Saber surfar
É um cuidado...... navegar é precioso.


Imagem: Reptiles, de Maurits Cornelis Escher.

Raphael Vidigal

terça-feira, 18 de outubro de 2011

Dedicação:


“Quem faz um poema abre uma janela.” Mario Quintana

Sou homem/mulher de relatos curtos
Não há demérito nenhum nisso
Mario também o era
Apesar da pretensão que tenho,
de ser Clarice

Edson Cordeiro
Edy Star
Lennie Dale
Ciro Barcelos

Guzzy muzzy!

Quero ser como vocês.

“procurei escancarar ainda mais a janela já toda escancarada, e procurava respirar, ainda que fosse respirar de uma amplidão visual, eu procurava uma amplidão.” Clarice Lispector

Pintura: “O Quarto Vermelho”, de Henri Matisse.

Raphael Vidigal

sábado, 8 de outubro de 2011

Iluminação ou Prefácio:


“O autor é um pobre idiota, um medíocre, vive no acaso e no risco, desonrado como uma criança. Reduziu sua vida à melancolia e ao ridículo de um ser que sobrevive degradado, sob a impressão de ter perdido alguma coisa para sempre.” Pasolini


Me Ensina Dançar Como Lennie Dale
E A Morrer Como Charlie Chaplin
E O Canto De Billie Holiday
E A Extravagância Que Vezenquando Nus Ilumina Seres Humanos


Pintura: “O Navio Negreiro”, de William Turner.

Raphael Vidigal

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

cenário gestalt:


“Era uma atmosfera de exaustão luxuosa, como uma rosa em flor perdendo as pétalas” Truman Capote

tudo ofertado resta saber pescar no cenário canário belga-irlandês-pátriamada.

A arte te
tira do
conforto.
O problema do ingênuo é o Incômodo (ser pretensioso.)

O problema da ingenuidade é ser pretensiosa.

É impressionante como o ser humano é ridículo
E ainda assim
Não tem humildade

Gestos externos
compensam (a fraqueza) de intentos internos
disso faz-se troça faz-se troço
dá-me troco

poesia é força
das
palavras
ou
ego frágil

Entre a idéia e a ação
há um desmanche
há um deslize
há um desfalque

a gente sabe quando vai morrer
ou a gente sabe quando está morrendo?

Deus ex machina

Música: “Dança das Horas”, de Ponchielli.

Pintura: “Maurice de Vlaminck”, de André Derain.

Raphael Vidigal

quinta-feira, 6 de outubro de 2011

Contemporaneidade:


“A moral moderna consiste na aceitação das normas da época. Mas para um homem culto aceitar as regras de seu tempo é a mais grosseira das imoralidades.” Oscar Wilde

Cabeça dura
Quebra
Con gelo
Mão de ferro
Cura
Anestesicamente
Unha de fogo
Pára
O trânsito
De animais silvestres
Que aqui se instalam
Assustados
Com qualquer
Nova idade média moderna ou
Conterrânea.

Pintura: “O Jardim das Delícias”, de Hieronymus Bosch.

Raphael Vidigal

terça-feira, 4 de outubro de 2011

Novos suportes:


“Me levanto com dignidade, subo na pia, faço um escândalo, entupo o ralo com fatias de goiabada.” Ana Cristina Cesar

Internet campo de isolamento dita dor
TV e rádio campos de contato ditatoriais
Em tudo impera a ditadura
Onde há espírito corrompido
Por ácidos imperais empresariais republicanos
Só a anarquia pessoal modifica os parâmetros suportes colchões colchonetes camas
beliches duas salas chão de esquinas
onde vamos deitar os lençóis que envolvem a pele já cheirada de azedo


Pintura: “Symphony No.1, The Transcendental”, de Richard Pousette-Dart.

Raphael Vidigal

sexta-feira, 30 de setembro de 2011

Aflição:


“Por que insistir nessa charada oca chamada vida?” Woody Allen

O sapato já gasto
A flor já pela metade
E o tédio
E o amor
Também?

Pintura: “Ouro Preto”, de Manezinho Araújo.

Raphael Vidigal

quinta-feira, 29 de setembro de 2011

Mantra da Eternidade:


“Permite que volte o meu rosto
para um céu maior que este mundo,
e aprenda a ser dócil no sonho
como as estrelas no seu rumo.” Cecília Meireles


A última vez que a vi
Eu a vi depois
No leito de morte
Eu a vi depois no leito de morte
No leito de morte eu a vi

A última vez que a vi
Tinha os cabelos compridos
Eu a vi depois no leito de morte
Eu a vi depois
No leito de morte

A última vez que a vi
Tinha uma luz luzidia
As dores lhe pertenciam
Eu a vi depois
No leito de morte

A última vez que a vi
Tinha uma luz que encobria sombras
E os cabelos floresciam castanhos
E o rosa do seu vestido encantava o salão

A última vez que a vi foi sonho
Eu a vejo agora
Todas as noites
Todas as manhãs
Todo fim de tarde
Todo pôr do sol
Toda escuridão
Toda luz
Eu a vejo sempre

“Toda vez que um sino toca é porque um anjo ganhou asas” Frank Capra

Pintura: Obra do artista plástico Joseph Cornell, “Medici Princess”.

Raphael Vidigal

quarta-feira, 28 de setembro de 2011

Larga:


“asas de anjo enlameadas cobertas com a sujeira azul pálida do paraíso” Jack Kerouac

(Ai que dor larga!
Não adianta você dizer
- que está tudo bem
Eu vejo nos seus olhos
Os olhos são a fronteira da alma.)

Dói demais
Na negação implícita da sua boca
Que beija sem querer beijar
Nos gestos
Que tocam em meio à contenção
E no segredo dividido
Entre esses dois corações
Que um dia formam o mesmo.
Partido. Retalhado. Violado.

Raphael Vidigal

Pintura: Urutu, de Tarsila do Amaral.

terça-feira, 27 de setembro de 2011

Oração:


“nos caminhos que existem dentro das coisas transparentes.” Cecília Meireles

Harpa
Harpia
Farpa

Que Wagner possa adensar seus ouvidos
Que Strauss possa esparramar a vertigem em sua cama
E que à noite você possa dormir ao som de Chopin
Sob o relevo de Mozart

Harpa Harpia Flauta
Cravo Canela Doce

“As cores são a chave, os olhos o machado, a alma é o piano com as cordas” Kandinsky

Raphael Vidigal

Pintura: Moonlight, de William Turner.

segunda-feira, 19 de setembro de 2011

Cartão para Alessandra:


Veio vontade por presente
Mais: d’ar a você
Mas eu só sei amarrar palavras
E desamarrá-las em seguida

Atravessando-se as geleiras
Amanheço dádiva de origem

Talvez só queira dizer: Amor

“como uma noz de vidro
que quebra na rocha
e por ali, em um trovão, entrou a luz” Pablo Neruda


Pintura: “Vaso de Flores”, de Vicente do Rego Monteiro.

Raphael Vidigal

domingo, 18 de setembro de 2011

Resumo da Ópera:


Qualquer desato já é um ato
Amar não é perdoar erros desculpáveis, mas os imperdoáveis

O que me falta não é raro encontrar
O que me consta é bem difícil de achar

O que me falta? amor
O que me sobra? Dor

Dor que eu tenho jamais irá se assemelhar, a qualquer outra
amor que me emburaca, ela guarda.

“Eu gosto de sentir as formas do seu corpo
Dos seus ossos
E de sentir o tremor firme e doce
De quando lhe beijo
E volto a beijar
E volto a beijar
E volto a beijar” e. e . cumings


Escultura: “Apollo e Daphne”, de Bernini.

Música: Ressaca, Yamandu Costa.

Raphael Vidigal

sexta-feira, 16 de setembro de 2011

Âmago:


“me dá
Tudo aquilo que
Não gostas em ti.
E eu farei com isso
Um prazer tão grande
- Mais lindo que as nuvens
Da alvorada clara!”Manuel Bandeira


No âmago do mundo
A dicotomia vida e morte
Há como falar da vida sem falar da morte?
E há morte sem um dia vida?
Um segundo
Um miligrama
Um milímetro
A pequenez abarca a solidariedade
Do que é sólido e inflexível
A vida não se permite sem alternativas
A morte não faz concessões para a vida
Ela finda
Dita fita linda viva morra

Raphael Vidigal

Pintura: Jeune Fille Se Defendant Contre L’amour, de Bouguereau.

Música: Lenda, de Arrigo Barnabé.

quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Naquela mesma tarde vazia havia um muito de amor:


“Sou brega e assumo. Gosto de palavras como ´ingratidão’.” Cazuza

Percebido que a gente consegue é se desmoronando.
Enfiando nossa faca completamente afiada no outro e se desfazendo.
Saindo de lá acuado, com o único recuo que nos é confortável.
O da experimentação imaterial, imoral e imutável.
O da compreensão supraterrena.
Da vida do outro na nossa vida nos modificando para além seja lá o que nos espere.
Já não existe movimento sem queda.
E que ele seja doce amargo sutil destemperado extremo sem coloquialidade sem restrição muitos dilemas defeitos deveres são seres humanos
sem sermos amor

Pintura: Agony, de Gorky.

Raphael Vidigal

segunda-feira, 12 de setembro de 2011

Correnteza:


Louco demônio
Selvagem
Flores róseas
Demolindo
Tosca melancolia

Lúgubres saudades
Cristais de lágrimas

“O canto sensato dos anjos se ergue do navio salvador: é o amor divino.” Rimbaud

Pintura: The Toilers of the Sea, de Albert Pinkham Ryder.

Raphael Vidigal

sexta-feira, 9 de setembro de 2011

Felicidade:


turva felicidade
essa que se agarra às ostras
esta que se agarra às algas
ainda assim espontânea
ainda assim clandestina

“me quebrando assim como uma flor que ao nascer mal suporta se erguer e parece quebrar-se.” Clarice Lispector

Pintura: obra do artista plástico Frans Krajcberg.

Raphael Vidigal

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO