terça-feira, 29 de novembro de 2011

Sono:


“Neblina...nunca se sabe aonde vai. Só aquele velho diabo, o mar. Ele sabe.” Eugene O’Neill

Permita-me o decoro
Do não toque
Do não afeto

Pois meu amor
Quer toque
Sem contato

Quer afeto
Sem embaraço

Que o meu amor
É decréscimo e vaidade
Beijo defronte espelho
Apaga
No sono eterno
Amém

Pintura: “Paisagem com a queda de Ícaro”, de Peter Bruegel, O Velho.

Raphael Vidigal

2 comentários:

Samira Machado disse...

Perfeita a poesia.Parabéns!

thebookofmydreams.blogspot.com

Anônimo disse...

sim,
permito.

Anna Carol