quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Considerações


Ninguém é bom o suficiente para ser amado sem ressalvas.

A profunda solidão de se estar junto.

Se alguns padres são mesmo casados com Deus só há uma alternativa:

Deus é gay.


Raphael Vidigal  

Escultura: Obra de Pietro Lombardo. 

Lista para o café da manhã


Gostaria de ser amado,

por meu humor debochado
por minha rebeldia infantil
pela minha irresponsabilidade fantasiosa
por meu contar impreciso, mirabolante, aumentando histórias
por ser covarde
por meu anacronismo na sociedade

pela criança que sou,
por minha fragilidade,
pela miséria humana,

por meus defeitos.

A dor só a quem se ama


Raphael Vidigal  

Pintura: "A Lição de Música", de Matisse. 

Lembranças


se ouço o roncar de motos na madrugada, lembro o teu: hum hum...
se ouço pássaros: a tua risada,
se ouço silêncio: teu beijo,
se ouço coração: nossa alma.


Raphael Vidigal 

Pintura: "Elasticidade", de Boccioni. 

Impossível



De que serve um amor impossível?

Lembranças...

Triste.

Lembra da gente deitado no chão após os primeiros beijos?
Lembra do sentimento daquele momento?

Há tanto tempo, não é...?

Ás vezes parece que foi ontem.
Sou só um pedaço de dor...


Raphael Vidigal 

Escultura: "Maiastra", de Brancusi. 

domingo, 15 de setembro de 2013

Saudade


Vai pela casa inteira
Os dentes escovando
Conversa com os bichinhos
E os bichanos...

Saudade dos
Olhinhos flamejantes
Da covinha rubra
Saudade.

Do sorriso espontâneo
A gargalhada incontida
Provocada
O ataque de riso
O ataque de beijo

Saudade.

Deixa ver você?


Raphael Vidigal

Escultura: "Red Stone Dancer", de Henri Gaudier Brzeska. 

sexta-feira, 13 de setembro de 2013

Fim


Respeito a eternidade das palavras fáceis e gastas e fracas. Como eu.

Apesar de tudo o sentimento é intacto. As dores e os buracos.

A música tocava já não era a mesma pessoa. Antigamente costumava ouvi-la com um aperto no coração de provocar embaraços.

Duas crianças perdidas, ...... ao brincar com o coração, ....... não obtiveram o perdão.

O sol áspero a conter certa dose de brutalidade.
Obcecado.
Esse amor insuficiente para nos manter juntos é demasiado sério, pragmático, enfadonho, longe da fantasia e do sonho, do mundo ideal.
Irreversível.
Me rasga a pele, range os dentes, ensurdece os ouvidos.
Os dedos sangram.
Escrever sobre a vida com paixão.

FIM.

Raphael Vidigal  

Pintura: "Vasos, cesta e frutas", de Paul Cézanne. 

Separação



Guarde a rosa que te dei,
Os poemas que escrevi
E as canções que lhe cantei.

Hoje só me resta liberdade...

E este amor cá dentro peito...


Pulando aprisionado. 

Raphael Vidigal

Pintura: "O Grande Canal, em Veneza", de William Turner. 

De vítima a carrasco à vítima



Se um sábio me perguntasse:
- O que você quer da vida
Ser feliz ou saber a verdade?
(Da vida; quero ser feliz
Da vida; saber a verdade)
Eu, o tolo, responderia:

Todo mundo quer ser feliz
Ninguém deseja machucar a si nem ao outro
Mas ás vezes é inevitável.

Vítima de meus próprios atos.
Carrasco involuntário.


(Desamparado)

Raphael Vidigal

Pintura: "Círculo Mágico", de John William Waterhouse. 

Auto-ajuda



Podemos ser simples, bobos, felizes. Detenha-se no essencial. Olhe para o coração como uma menina curiosa espia o teu cachorro dormindo.

Raphael Vidigal

Pintura: "A carta de amor", de Fragonard.

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO