sexta-feira, 5 de dezembro de 2014

Psicanálise do poema



o dilema do poema é não saber se rima
ou se aconselha.

o dilema do poema é não saber se é arte
ou se é devaneio.

o dilema do poema é não saber se veio para ficar
ou se será varrido para debaixo do tapete.

o dilema do poema é não saber se o papel é o seu lugar

ou a internet.

Raphael Vidigal

Imagem: obra de Leonilson.  

Sonho



no meu sonho ninguém interfere
eu posso ser gelo, fogo ou a Hebe.

no meu sonho ninguém mete o dedo
eu posso ser jovem, velho ou carbureto.

no meu sonho só eu tenho a pena

eu posso ser facho, som ou poema.

Raphael Vidigal

Litografia: "O sonho da razão produz monstros", de Goya. 

as aparências

          


          barba de molho
   pé de galinha pé de cabra
     não são o que parecem
       como porco e parca

Raphael Vidigal

Pintura: "Nu feminino deitado", de Egon Schiele. 

Labirinto



A prosopopeia deu vida à onomatopeia que não satisfeita transformou-se numa
   centopei

        ah!

Raphael Vidigal

Pintura: "Agricultores no jardim", de Klimt.  

Solidão



Gosto desse tempo em que ninguém me salva
           
                        Entre a madrugada
                                               e o nascer dos anjos.


Raphael Vidigal

Pintura: "Sopro de menino em brasa para acender uma vela", de El Greco. 

os últimos serão os do meio quando as tranças do rei careca assistirem à volta dos que não foram entre mortos e feridos salvaram-se todos


dedo de prosa
                       poesia de  roda

                                                pé

Raphael Vidigal

Pintura: "A Fonte", de Picasso. 

Qualé o som que a vaca faz?


Levar
            Ravel

            Era
                        (are)

            Um

                        Mu!

Raphael Vidigal

Pintura: "Opus 217", de Paul Signac.  

Autoajuda Millôriana


Autoajuda Millôriana: Nós não nascemos pontos! 

Raphael Vidigal

Pintura: "O periquito e a sereia", de Matisse. 

Dialética nacional


No Brasil a lenda (coisa profana e do demônio) tem reza.
Furacão (coisa sem corpo e sem pescoço – portanto sem sustentação) tem olho.
E a grama do nosso vizinho é sempre mais verde (não tem piolho).


Raphael Vidigal

Pintura: "Bananal", de Lasar Segall. 

Dom Quixote e São Francisco


Dom Quixote e São Francisco
Rodopiam sobre a minha casa.
Um dá pão, milho e água aos animais
O outro monta cavalo.

Dom Quixote e São Francisco
As glórias caem ao contrário.
No colo de uma estrela vaga
No bafo de um moinho falso.

Dom Quixote e São Francisco,
Cada qual com a sua loucura,
Um pelo inesperado Cristo,
O outro, por Dulcinéia, santa.

Dom Quixote e São Francisco
Na história de Miguel de Cervantes
Ou na Bíblia de tantos e tantos apóstolos
Eternizam-se nas palavras
Seja para curar os pecados
Ou para aliviar a ressaca.

Dom Quixote e São Francisco
Fantasio um de trapos podres
O outro crê em fantasmas,
Se a retórica me permite
Não sei qual é um qual é outro.

São Francisco e Dom Quixote
Rodopiam sobre a minha casa.
Um me serve poesia
O outro me bebe de prosa.


Raphael Vidigal

Pintura: "Palhaço tocando tambor", de Daumier. 

Bênção


Entrei para as estatísticas,
Sou mais um poeta
Que se sente uma formiga.

Raphael Vidigal

Pintura: "Composição 2", de Miró. 

a ordem dos joelhos altera o rebolado?


Toda época tem o poeta que merece.

Poeta fora de moda,
Poeta fora de época.

Poeta na hora do almoço,
Poeta de catequese.

Poeta que só faz rima,
Poeta que se diverte.

Nem sempre o poeta sobe,
Nem sempre o poema desce.

Mas toda época tem um poeta que se despreze.

Raphael Vidigal

Pintura: "Dança no Moulin Rouge", de Toulouse-Lautrec. 

Ginástica



a grana é curta

                  mas a vida alonga.


Raphael Vidigal

Pintura: "Mont Sainte-Victoire", de Cézanne. 

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO