terça-feira, 2 de junho de 2015

desalento



cansado
                  de dar murro
                  em ponta de faca


e só descascar pepino.   

Raphael Vidigal

Desenho: obra de Goya.      

Jogos de poder



O artista e seu mecenas

                                   Vivem em cabo de guerra
            Um pela audiência
                        O outro pelo poema.

            O artista quer da
            Poesia
            Algo lindo,
                        Impalpável,
                                               Etéreo

O mecenas quer da audiência
Uma prova concreta, multiplicável, externa.

                        Nenhum tem o consentimento
                                   Nem de Deus nem da família

A pátria em que eles vivem

Chama-se ilha de Tebas.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Delacroix. 

Questão



O leigo perguntou para o especialista
           
                                   O que é a vida?

            Que respondeu com o cenho franzido

                                   - cobras e lagartos-

                        Ao perceber que as respostas eram parecidas,
                        O leigo abotoou o paletó, deu nó na gravata,
                        Passou por cima a beca, sobre a capeça o capelo,
                        Ergueu o diploma sobre o cenho franzido e aderiu à
                        Vida
respondida


- cobras e lagartos-

                                   parecia um esquilo.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Daumier. 

A casa da literatura é a luz vermelha



A literatura tornou-se
                                      Promíscua
           
                        Transa com o bofe
                               E com a cafetina

            A literatura não é mais altiva
                        Olha pra baixo
                                   E a bunda
Arrebita

                        A literatura tem seios de plástico
                                   Olhos de aço
                                   E o sexo hermafrodita

            A literatura picha
                        Grafita
                                               Brinca de boneca
                                                           Inflável
                                  
                                   E bota fogo no coreto
                                               A literatura aceita os ditados

E também o que nunca foi dito.

                        A literatura têm ânsia de ágil
                                   E do momento                     depois do arco-íris

                                               A literatura é uma senhora de idade
                                                           Um sapo
                                                           Uma menina
                                                           Um príncipe
                                                           Uma fantasia
                                                          
De enfermeira
Bombeiro
Facínora                                                       ...a literatura realiza os desejos...

                                                                               em plena luz do dia.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Toulouse-Lautrec. 

Noite



A lua de barriga pra cima
Está minguada.
Por causa da disenteria
Culpa do excesso
De marmelada?
Ou será apenas um inchaço
Afinal quando menstruada
A lua vira de barriga pra cima

E observa os ares.

Pintura: obra de Constantin Guys. 

X




– O que é isso?
Ah – Segredo pra pessoa curiosa –
Respondeu o poema ao poeta Carlos Drummond de Andrade
– Segredo pra pessoa curiosa? – Nunca viu Leminski –
Sugeriu o falado
O mal falado poeta de Antares.
Tal de Adonai de quem nunca ninguém ouviu falar.
Segredo pra pessoa curiosa...
Me poupe!
Bufou o De Barros
No que Bandeira sacudiu o homem:
Poderia ter sido dito por Quintana.
No que teríamos somente aplausos.
Ainda na última estrofe haveria tempo para
Ana Cristina César
E Torquato Neto

Saltarem qual anjos. Mas o poema já está morto. E do poeta... só vejo as asas.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

Bumerangue



Segredo pra pessoa curiosa;
Esparrela pra língua afiada;
Cabeça de vento na beira da estrada;

Só podem ser abertos por cachorro versado em

                                                                                      virar latas.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

Roleta



Dando           dando            pro azar                    
            Sopa              mole
                     

pra sorte

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

Piada de português



Negócio da China
Pra inglês ver
Deus é brasileiro

Não chore por mim, Argentina.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

A pedra filosofal



Tirar leite de                            sobre pedra
                       
                                Pedra

coração de                                  No sapato


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

Nostalgia



Naquele momento eu fui feliz
Mas ele foi tão passageiro
Que nem deu tempo de dizer a ele
Que naquele momento eu fui feliz.
Naquela fração
Naquele ínterim
Naquele ano bissexto
Eu fui feliz
E eu já nem sei porquê.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

Folclore



Mãe coruja
Dum filho sem cabeça

Com espírito de porco.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

sair no lucro



manda quem paga,

            obedece quem tem prejuízo.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

semelhança



deus dá de ombros
                        para a dor de cotovelo

do homem

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys.  

Menu



Com o emocional em frangalhos
       E a carne do corpo moída

Fiquei em dúvida sobre o prato do dia.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

João Basco



Bafafá
Borocochô
Paranauê
Maringá

Bagunça
Tristeza
Capoeira
Paraná

Arroz Feijão Frango com Quiabo
Lentilha Papoila Grão de Bico


Brasil Portugal Afeganistão França

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Constantin Guys. 

Ópera rock



a harmonia exibiu uma aresta
                        o noturno achou meio estranho.

                                   a pavana, pouco imodesta,
                                               abriu a perna
                                               esacudiu um pano (alguns o chamam de leque).

                        sem entender o prelúdio
                        o interlocutor aderiu ao sono.

Wagner entrou de fresta,
Beethoven por uma soprano,
Paganini das profundezas,
E Berliozpra rimar na história.

            A essa altura invocada
            Debussy, Satie e Ravel
            E Igor Stravinsky, o russo,
            Clamam pelo silêncio,
            Enquanto Mozart lustra o piano.

                                   Tchaikovsky e Chopin
                                   Têm o coração sangrando
                                   O mostram para Allen Poe
                                   Que só faz disso um belo conto.

            a rapsódia está cansada.
            dizem que seu tempo passou.
            tempo na vida e na música
            chega pra qualquer um.
                       
                                   nem a fuga de Bach nos salva
                                   dessa suíte fajuta
                                   com alças nas laterais
                                   a sete palmos de terra.
                       
                        pode chegar de atalho
                        ou pelo caminho mais longo
                        certa é sua presença
                        no réquiem de Fauré
                        ou na minha alma insone...

Vão os homens
Fica a obra.
Mas quem sabe desses nomes?
Talvez toquem numa caixa
Sob os pés da bailarina

No peito de um poeta morto.

Raphael Vidigal

Pintura: "As Confidentes", de Constantin Guys. 

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO