quinta-feira, 31 de maio de 2012

Não sente?



“Na bagagem, uma esperança desmedida.” José Carlos Oliveira

Daqui a pouco
vem você de novo,
me alfinetar,
novamente.
Me descobrir,
novamente
Me jogar pro alto
e depois pra baixo,
Novamente.

Poesia, você não sente?

O cansaço e a fadiga e a preguiça
E a dor da inspiração?

Francamente!

Raphael Vidigal

Pintura: obra do artista plástico Wesley Duke Lee, ‘Hoje É Sempre Ontem,’.

quarta-feira, 30 de maio de 2012

Mistério:



"mesmo com tanta ilusão perdida
quebrada,
mesmo com tanto caco de sonho
onde até hoje
a gente se corta." Alex Polari de Alverga 

Imenso
Mas calmo

Fortaleza
E teme

Pontiaguda
Não lança

Qual o mistério do Rinoceronte?

Raphael Vidigal

Escultura: “Janusz Korczak e as crianças”, de Berthold Werner

segunda-feira, 28 de maio de 2012

Ocidente / Oriente:



“Eu te violento, chão da vida,
garganta de meu dia.
Em tua áspera luz
governo o meu canto.” Ferreira Gullar

Ocidente
Tem os dentes frios
Oriente
Tem os lábios quentes

Oriente
Tem o seio fino
Ocidente
Tem o colo farto

Ocidente
Anjos são faróis
Oriente
Anjos são cavalos

Oriente
Rezas pra dragões
Ocidente
Clama para o alto

Ocidente
Mingau de palavras
Oriente
Mingau de silêncio

Oriente / Ocidente
Sãos filhos são do oceano.  

Raphael Vidigal

Imagem: parede desenhada pela imaginação do arquiteto Gaudí. 

sábado, 26 de maio de 2012

cria copia Mario Quintana:



“Todo mundo é sério menos eu.” Allen Ginsberg

Que és um criador,
não há duvida.

Mas e o resto?

E a régua,
e o papel,
e o convexo?

Não, não,
(ri embaralhado)
poeta.

Raphael Vidigal

Pintura: “A Conquista do Filósofo”, de Giorgio de Chirico. 

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Sobre um artista e sua gaiola:



“Se assustar as pessoas elas vão pensar, e ficarão mais assustadas.” Ingmar Bergman

A Gaiola do artista
É a forma

A fome do Artista
É o conteúdo

A fome do artista
É a forma

A gaiola do Artista
É o conteúdo

A Gaiola é maior que a fome?
O artista é menor que o Conteúdo?

Nada do que não se possa dizer o contra árido.

Raphael Vidigal

Pintura: “Dois nus na floresta”, de Frida Kahlo.

terça-feira, 22 de maio de 2012

Forma, fórmula, fôrma:



“As idéias têm idéias próprias” Rubem Alves

Cruzando as linhas
Cheguei à fórmula perfeita:
Um triângulo cartesiano

Mas e a forma?

Ligando o forno
Assei a fôrma perfeita:
Um bolo pronto. (de nozes)

Mas e a forma?

Pergunta sem resposta.

Raphael Vidigal

Pintura: “Duas mulheres”, de Egon Schiele. 

domingo, 20 de maio de 2012

Ganha-se pouco, perde-se muito:



“Mas a alma, em gotas mansas,
Chora, abismada no luto
Das minhas desesperanças...” Manuel Bandeira

Perde-se o sonho
Perde-se o sono
Perde-se o tormento

Ganha-se em troca: Dura
Realidade
Útil
Desprezível
Bitolada

Ganha-se pouco, perde-se o muito.

Leve si rasteira
Levanta
Lave
(Clave de sol, meio dia, vida meia,
amarga)

Raphael Vidigal

Pintura: “Vista de Toledo”, de El Greco. 

sexta-feira, 18 de maio de 2012

Transa:



“Quem na vida tem amores
Não pode viver contente,
É sempre triste o olhar
Daquele que muito sente.” Florbela Espanca

Poupa
Polpa
Apalpa

Fruta
Chupa
Afaga

Morde
Suga
Rasga

Geme
Xinga
Fita

Grita O Muro Nua Transe!

Raphael Vidigal

Desenho: obra do quadrinista Milo Manara. 

quarta-feira, 16 de maio de 2012

Ovelhas:



“Primavera exterior, não me atormentes,
desatando em meus braços vinho e neve,
corola e ramo roto de pesares” Pablo Neruda

A TI DEDICO AS ESTRELAS!
NA HORA DO SONO
NÃO CONTO AS OVELHAS (carneirinhos)
ESCUTO A AREIA ESCORRER NA AMPULHETA
CALCULO O TEMPO PARA TE ENCONTRAR.

Raphael Vidigal

Pintura: “Tulipa Rosa”, de Georgia O’Keeffe. 

segunda-feira, 14 de maio de 2012

Hora:



“Mas eu tenho a impressão
Que todos nós somos fracassados
Eu, por exemplo: não amo...” Cazuza

Quando você morreu
O que foi que você sentiu?
Assustou-se?
Sentiu conforto?
Medo? Raiva?
Prazer.
Libertou-se dessa casca chamada vida.

Raphael Vidigal

Pintura: “Auto retrato”, de Jeanne Hébuterne. 

quarta-feira, 9 de maio de 2012

Temporais:



“Há vidas, longas vidas que deixam em nossa lembrança – não uma história mas um certo ar, um clima, uma presença apenas.” Mario Quintana

Bonequinha de porcelana
Existe enfeite mais bonito para o céu?
Brilha translúcida
Encobre o véu.
Luz de saudade esborralha as transições
temporais

Raphael Vidigal

Pintura: uma das inúmeras bailarinas de Edgar Degas. 

domingo, 6 de maio de 2012

Flauta de pan:



“Poesia nasce do não existir” Manoel de Barros

Faunos e fadas
música
Depois comer umas
uvas

Raphael Vidigal

Desenho: obra de Darcílio Lima. 

sexta-feira, 4 de maio de 2012

Credo:



“Há quem não ouça até que lhe cortem as orelhas.” Georg Lichtenberg 

O elogioso sempre cria situações
para ser elogiado.

O vaidoso sempre cria situações
para ser vaiado!

Cruzes?

Clarividente:

Nada é pobre.
Mas o nada absoluto é o tesouro escondido.


Raphael Vidigal

Pintura: “Auto-retrato”, de Romaine Brooks. 

quinta-feira, 3 de maio de 2012

Dispensa:



“Dessa janela sozinho
olhar a cidade me acalma
Estrela vulgar a vagar” Duda e Jards Macalé em ‘Hotel das Estrelas’

Na essência a arte é dispensável.
Arte só tem essência se for dispensável.
Só é essencial a arte dispensável.
Dispensando-se a essência a arte é.
Essencialmente dispensa-se arte.

Raphael Vidigal

Pintura: “Estudo a partir do retrato de Inocêncio X de Velázquez”, de Francis Bacon. 

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO