quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Um profundo abatimento II: uma certa fome


“Se a natureza não é contra nós, também não é por nós.” Herman Melville

Esse velhinho
me perturba
Esse velhinho
da rua
Esse velhinho
sem nome
novelinho
que daqui a 80 anos
já estará morto.

Pintura: “Dois velhos comendo sopa”, de Goya.

Raphael Vidigal

5 comentários:

Camila Valente disse...

Parabéns pelo blog, gostei muito do contéudo e do layout!
Já estou seguindo, se puder segue o meu tbm e participa do sorteio!
Bjos, fica com Deus!

Cláudia Benevides disse...

Muito legal teu blog, poesia é demais!
bjos
http://draclaudiabenevides.blogspot.com/

Tatah disse...

Adoreei a poesiaaa =)

Blog Atualizadoo!!! Dá uma passadinha lá, vs vai adoraar!!!
http://echidellanima.blogspot.com/

Cláudio Luiz Almeida Rosa disse...

O repúdio a imagem do velho pode ser o repúdio a sua própria imagem projetada no tempo e o ódio a certeza da morte, um desperdício, uma piada de mal gosto inventada por Deus...

Togakure disse...

muito bom cara