terça-feira, 27 de dezembro de 2011

Química literária:


“E a matéria mata.” Manuel Bandeira

A Química Me Parece Tão Mínima
Ante Da Imensidão Das Palavras
Pois Se Da Pira Extrai-se Um Átomo
Na Literatura Recolhe-se Um Átimo
E És Tesouro Intocável E Relutante
Quanto O Resultado De Inspirações
Aspirantes

Imagem: “Serigrafia sem título”, de Antonio Maluf.

Raphael Vidigal

4 comentários:

Cabeça Feminina disse...

adoorei, belas palavras.


grande beijo e otima semana.


http://cabecafeminina.blogspot.com/

Mário Oliveira disse...

gostei da postagem.

meu blog tambm de poesia..so q minhas.
www.moinhosdeventto.blogspot.com

João Batista de Lacerda disse...

Poesias nos fazem esquecer um pouco do mundo material para nos levar ao abstrato.
Retribui?

Gabriel disse...

é um belo jeito de se pensar,até porque poucos sabem o que é um átomo.
gostei cara