terça-feira, 28 de setembro de 2010

Amor Delicado:


“era mulher tecendo um homem, assim como me havias tecido, neutro artesanato de vida.” Clarice Lispector

Eu superei o medo das palavras que me fogem da escrita

Foi um amor tão delicado de ser dito.

Raphael Vidigal

sexta-feira, 17 de setembro de 2010

Flash:


“Um desenho de criança...
Corrigido por um louco!” Mario Quintana


Ás vezes eu penso em assassinatos, suicídios, estupros.
Crimes que passariam impunes a uma mente mais desatenta.
Eu nunca sei se o que eu tenho é fome ou é satisfação.
Enquanto isso a gente vai vivendo essa vida vagabunda medíocre que tem sempre os mesmos objetivos.

A vida é uma questão de enquadramento.
[ ]

Flash.

Raphael Vidigal

Pintura: Mujer con flor, de Pablo Picasso.

segunda-feira, 13 de setembro de 2010

No fundo do peito:


“Podem me prender, podem me bater
Podem até deixar-me sem comer
Que eu não mudo de OPINIÃO”
Zé Kéti


Estou com vontade de ler bons livros, ver bons filmes, ouvir boa música.
Tudo coisa muito simples.

Fiquei muito tempo escondido mas agora decidi mostrar.
Vou fazer isso até que me vejam por inteiro.

Pelo menos aqueles que me interessa que vejam por inteiro.

A gente ia amadurecendo (ou apodrecendo) ao vivo.
No fundo do peito essa urgência consumida.

Raphael Vidigal

Imagem: Marilyn Monroe.

quinta-feira, 9 de setembro de 2010

Um texto nunca está feito:



“Você é mais um conjunto de reações do que propriamente um ser humano.” Caio Fernando Abreu


Um texto nunca está feito. Fito. Findo.
Tem coisas que eu escrevo que eu não controlo.
É preciso entender isso.

É bom morrer deixando a sensação de que poderíamos ter feito mais.
Para que a morte seja começo e não fim.
Pra que a morte não seja descanso, mas continuidade.

Eu não acho que a felicidade seja uma coisa boa.

Essa coisa conformada que é a felicidade.
Esse estado indefinido.

Raphael Vidigal

Imagem: James Dean.

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO