quarta-feira, 29 de julho de 2015

Pina Bausch

                   
   

                      Quero uma arte que envelheça
   Uma arte que não tenha parênteses nem concordância,
                        Uma arte vulgar,
                                               Impertinente,
                                                                       Criança.
                        Uma arte feita do tempo,
                                                                       E pela dança.


Raphael Vidigal 

Imagem: foto de Pina Bausch. 

Doce ilusão

  


                            Lua de mel
                        Céu de brigadeiro,
                       

               Pode tirar o cavalo da chuva.

Raphael Vidigal 

Pintura: obra de Magritte. 

quarta-feira, 22 de julho de 2015

Miragem



Olhos de bem-te-vi
            Boca de beija-flor

            Nariz de andorinha

E no sorriso: O amor.

            O sal no corpo de mar
                        Deixa transparecer que a água

Que voa, e vem da chuva,
            Traz colheita, mas também tempestade.

            Carrega os raios nas pontas das orelhas,
                                   E desafia os andaimes.

Colore o mundo com as flores,
                                                           E oferece a coragem.

            Alguns a chamam de sonho,
                        Mas o seu nome é miragem.

Acredita no cinema-mudo
E nas palavras que não se limitam aos dicionários.


 Raphael Vidigal

Pintura: obra de Marc Chagall. 

a vaca foi pro brejo



                                                      um dia
            não mais que outro dia
                                                       não mais
              um dia após o outro

                                                   e todos iguais. 

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Gauguin. 

beleza de poeta



voz de taquara rachada                 olhar de cachorro com fome
                       

                              assovio de menino ladrão de goiabas.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Cèzanne. 

Ambivalência



Força de expressão
Fraqueza de espírito
À flor da pele
No sol a pino.

Talvez
Foice no escuro
Uma luz no final do túnel.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Van Gogh. 

terça-feira, 7 de julho de 2015

alívio



Ser um animal tem suas vantagens,
principalmente aos sábados e feriados.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Toulouse-Lautrec. 

elogio



foi um homem plural,
com uma obra singular,
sofria pelo olho gordo,

mas tinha a língua afiada. (diziam à meia boca pequena)

Raphael Vidigal

Escultura: obra de Michelangelo. 


esperança



dente de ferro
dente de leite
dente de velho
            dente tende
                        à eternidade,

e nós ao esquecimento
a velha tumba e o medo
            maior que todo dente

            voltado para cima

                                               & tão inflexível.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Daumier. 

Conselho



Nesta vida melhor
É quebrar a cara
Que dar as costas

Pro mundo.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Egon Schiele. 

Filosofia



A planta do pé
Equivale à árvore da vida,
Só que mais comedida.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de De Chirico. 

Circo



Tinha uma pulga atrás da orelha,
E o diabo no corpo,

   Por isso soltou os cachorros!

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Marc Chagall. 

Macunaíma (da construção do herói brasileiro)

1


.    falar ao pé do ouvido;
2.    ter a língua maior que a boca e o olho maior que a barriga;
3.    ser dedo-duro;
4.    andar com a cabeça nas nuvens;
5.    olhar somente para o próprio umbigo.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Lasar Segall. 

estados corporais da monogamia



1.    bate-boca;
2.    puxão de orelha;
3.    frio na barriga;
4.    empurrar com a barriga;
5.    pegar no pé;
6.    pé na bunda;
7.    dor-de-cotovelo;
8.    ombro-amigo;
9.    boca a boca;

10. perda dos sentidos.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Edward Hopper. 

Carótida



A poesia está com tudo e não está
                                                              Prosa
A poesia, romântica, pisa em ovos.
A prosa faz cara de tacho.
            O poeta raspa até o tacho, chupa até o

                                                                                   caroço.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Monet. 

Reunião



as coisas em seu estado natural
            e o estado burocrático das coisas
    encontraram-se para um chá da tarde

o estado burocrático das coisas
concomitantemente ao porte que elegera para tal
especulou sobre trâmites, concordância, pôs um asterisco no pé de página
responsável pela explicação do que um asterisco no pé de página
tem a obrigação de responsavelmente explicar ao interlocutor arguto
e no entanto ignorante do estado burocrático das coisas
com uma malícia auspiciosa

o estado natural das coisas
carente de qualquer consentimento do colega
curvou-se
arregaçou as pernas
tremeu
miou
se esbaforiu inteiro
disse alguma coisa incompreensível no mundo do estado burocrático das coisas

            que com uma lupa foi observar a mancha que o outro tinha deixado
                                                           era mijo ou ouro
                                                           não se sabe.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Klimt. 

Ofício



1.    Papo furado.
: Conversa fiada;
    – Ladainha –
“História pra boi dormir”
       (Poesia


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Renoir. 

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO