quarta-feira, 31 de agosto de 2016

Eis que


do dia para a noite
uma criança nasce
uma criança morre

cupido muda de alvo
do dia para a noite
a flecha do amor vira ódio

o arco do amor vira mágoa
do dia para a noite
uma criança morre

uma criança nasce
o amor revigora
estica as pernas

reabre os olhos
coça as areias
levanta da cama

do dia para a noite
a lua muda de fase
o sol se põe

o sol renasce
do dia para a noite
a esperança vira palavra

de ordem



Raphael Vidigal

Imagem: foto do dramaturgo alemão Bertolt Brecht.

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Graça


Quem me aconselha me diz que o poema
não é feito de areia, nem de dor, nem de espinho.
Quem me aconselha me diz que o poema
é feito de pão e de vinho.
Do Sangue e do Corpo de Cristo.
Quem me aconselha me diz que o poema
é Espírito.




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Paul Gauguin.

segunda-feira, 22 de agosto de 2016

da natureza das coisas


tenho uma vaga ideia do que seja a morte
como tenho uma vaga ideia do que seja a poesia




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de El Greco.

Compaixão


Sofro pela dor que não é minha.
A dor do pai que enterrou o próprio filho.
A dor da mãe que enterrou a criança que pariu.
Uma dor que não tem razão, que não tem ciência, que não tem poesia.
Sofro pela dor que já é minha.
E lateja todas as noites antes de deitar a cabeça no travesseiro.



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de El Greco.

Proporção matemática


O Homem acredita em deus
Tanto quanto Deus acredita
no homem?




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de El Greco.

sexta-feira, 19 de agosto de 2016

Trabalho


Ciência é procura.
Poesia é descoberta.

Quem procura, acha.
E quem descobre, o que come?




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Pablo Picasso.

quinta-feira, 18 de agosto de 2016

:


como Einstein, como um asteroide,
um átomo. fanático, indizível, bri-
lhante. meu poema no meu re-
trato. heroico, em hebraico, mo-
cho. como uma branca luz
castanha




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Velázquez.

É tudo sonho...


Vem tudo da imaginação...
Da cabeça de um gigante bronco,
Que um dia bem de manhã...
Acordou inteiramente mudo.

Por não poder mais falar,
Passou a inventar mundo:
Fadas, duendes, gnomos,
Flora, fauna, minerais, sustos...

Assim feitos de sonhos...
Do algodão e das nuvens,
Às vezes somos amargos,
Noutras sentimo-nos doces...



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Velázquez.

quarta-feira, 17 de agosto de 2016

Ego


o meu infinitesimal
senso de realidade
choca-se com o
deboche e me
revela um
pastiche de Freud



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Velázquez.

terça-feira, 16 de agosto de 2016

haicai rural para a Zona da Mata & Patativa do Assaré


poesia é coisa pequena,
miséria, maisena,
que com fermento
vira poema.




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Edvard Munch.

Gênese


a lírica portuguesa a melodia grega
& o cinismo inglês assim a poesia se fez



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Edvard Munch.

sexta-feira, 12 de agosto de 2016

“somos um país sem memória”


O Brasil é o único país do futuro
que não tem passado...



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Tarsila do Amaral. 

itinerário


entre a esperança e a saudade
meu coração olha a lua, o relógio, o
sol da tarde. Tira um cochilo, acorda,
veste as calças, calça os sapatos.
Mas por fim, sempre chega atrasado...



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Salvador Dalí.


dedilhando o ar


primeiro vem a tristeza
depois a felicidade
primeiro vem a bonança
depois chega tempestade
primeiro a vida morre
e depois da morte, o que nasce?




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Caravaggio.

vão


estaria mentindo dizendo que sou triste...
também estaria mentindo dizendo que sou feliz...
talvez entre o meio deles
eu seja este vazio



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Edvard Munch.

Aos meus amigos


Saudade, palavra pequena para tanta falta.
Saudade, o som de um poema, a voz de uma flauta...
Saudade, nada no mundo se iguala,
Ao teu desalento. À dor que provoca...




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Toulouse-Lautrec.

quarta-feira, 10 de agosto de 2016

Etcéteras


...A vida é muito grande para
Ser obesa. Deve ser lisa e
Frágil. Como uma borboleta...




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Fragonard.

Suspirar


Ah se estivermos brigados
e não possa me chamar
de amor marcado
chama-me de amor terreno
que eu virei
embora com lágrimas nos olhos
beijar teus pés.

Ah se estivermos brigados
e não possa me chamar
na irrelevância
chama-me na irreverência
que eu virei
com o susto de um velho palhaço
e uma esfera entre os dedos.

Ah se estivermos brigados
e não puderes me chamar
olha-me com cuidado
que eu talvez venha em silêncio
beijar teus seios.


Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Fragonard.

segunda-feira, 8 de agosto de 2016

Chapéu-Coco


Morri
Na praia

Morri
Em véspera

Morri
De rir

Pois sempre ouvi da boca banguela de meu avô
                                   Desenhada
Pela dentadura e o chapéu-coco na cabeça branca


“ – Não deixe a peteca cair...!”



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Seurat.

Antena


O captador de misérias
Estava sempre desligado
Mas quando o ligaram um dia
Explodiu por falta de espaço



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Pablo Picasso.

O Universo do Poeta


...Quem dera a vida pudesse ser sonhada ao invés de vivida...




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Toulouse-Lautrec

casal


o corpo sofre por ter crepúsculo
a alma sofre por ser eterna


Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Van Gogh.

Tudo é saudade


Não guardo mágoa porque
elas se dissolvem rápido.
Mantenho coisas mais
fundas e espessas...
como a saudade,
a saudade
& a saudade.




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Fragonard.

Farra


Fiona rima com chorona.
Felícia rima com delícia.
Frida rima com comida.
Pois quem não chora, não mama,
já diziam os egípcios, os hebreus e os romanos,
e também os cachorros
de língua, rabo e patas se abanando...



Raphael Vidigal 

quarta-feira, 3 de agosto de 2016

dúvidas & dívidas & girinos & gírias


como se mede a palavra da língua queimada?
como se mete o nariz aonde não foi chamado?
como só ter os olhos para quem é todo ouvidos?
como apertar as mãos de quem as troca pelos pés?
simples: engula sapo tussa como vaca morra de esperança.





Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Miró.

Rosto


Só tenho olhos para você,
sou todo ouvidos...
“Meça suas palavras”.  
– Pois você pode queimar a língua?
Não meta o nariz aonde não foi chamado!





Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Giuseppe Arcimboldo. 

Expectativa


Não tenho mais nada o que dizer.
Eu simplesmente não esperava
por isto naquele momento.
Não foi a primeira vez, nem a última.
No entanto,
por mais irreversíveis que as nossas perdas pareçam
a vida sempre continua.
E o que parece uma condenação serve-nos de consolo.
E o que parece que foi ontem, e o que parece ser agora
projeta-se no futuro. Como um clandestino espelho vazado: mirando-nos:
Há sempre alguma coisa acontecendo, mesmo que dentro,
onde as águas aos olhos estrangeiros pareçam imóveis...




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Monet. 

terça-feira, 2 de agosto de 2016

Reconhecimento


A gente se reconhece no escuro.
Toco-lhe as orelhas, sinto-lhe o cheiro
de cachorro.
A gente se reconhece sem nenhum susto,
sem conselhos, nem palavra.
Afago-lhe o pelo, abaixo-me à altura de seus olhos
no escuro.
A gente se reconhece como se reconhece o próximo.



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Mary Cassatt. 

Preces


Eliminar todas as clemências, todas as luzes brandas, todas as preces.
Para que reste a ausência consentida.













Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Pablo Picasso. 

Cubo Mágico


Se sou um mistério para os outros, por que deixar de sê-lo para mim?
Se sou um mistério para mim, por que deixar de sê-lo para os outros?
....Se sou um mistério para mim, por que deixar de sê-lo para mim?....
Se sou um mistério para os outros se sou um mistério um mistério sou mim?
(Sumo
Me sumo
Sumi)




Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Paul Klee.

Machadianas


Sempre vivi a minha vida
da forma mais livre que encontrei.
Isso não significa que tenha sido
menos escravo que os prisioneiros,
os burocratas, ou os burros de cargas d’água...!





Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Rembrandt.

segunda-feira, 1 de agosto de 2016

Pretexto


Invento que você viajou.
Invento.
Invento um passado, um pretexto.
Invento tanto que não me reconheço.
Não sei se sou espelho ou santo.
O diabo ou poema.



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Fernando Botero. 

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO