quarta-feira, 20 de julho de 2016

Paradigma


Eis um quebra-cabeça
Onde sempre falta uma peça.
Não é redonda nem quadrada,
Não é a ausência que a aniquila
A peça, embora encontrada,
Não cabe no seu destino.

Como formiga no mel,
Como penacho de índio,
Como feto, na barriga,
Mesmo dentro, se distingue.

O quebra-cabeça incompleto
Exibe a crosta, a cicatriz,
O buraco, fundo e negro,
À espera que a formiga,
Que o penacho de índio,
Que o feto, da barriga,

Escape mole e preencha... o vazio dos seus dias...

Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Matisse. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO