quarta-feira, 27 de abril de 2016

Lápide


A vida é triste.
Mas o que podemos fazer?
Se não nos é permitido modelá-la.
Não nos foi dada a honra de fazê-la.
A vida em sua circunstância é um longo arco,
Um arco que termina ao longe,
Do qual só nos é permitido enxergar a ponta.
E por essa incapacidade do olhar,
Por essa insuficiência de horizonte
Sentimos algo a que se acostumou chamar angústia.
A vida com suas dores acaba para quem parte,
Mas não para quem embala o morto.
Por isto é sempre trágica, sob algum aspecto.
Por isto é sempre cômica, sob outro aspecto.
A vida do dia a dia não é muito diferente dos dias venturosos.
Começa com uma longa puxada de fôlego,
E termina com a ausência que sucede o êxtase.
Começa com uma esperança,
Com a expectativa do mistério,
E termina no momento em que permanecemos nele.
A vida como uma migalha,
Como uma lupa,
Como um parêntese.
A vida como uma pomba.
Um olhar mais atrevido,
Ou um beliscão para constatar o sonho,
Não a desmancha.
Ela se desenrola e enrola de novo feito carretel.
Puxamos o fôlego ainda  na ausência que precede o êxtase.
Embora em ignorância.
Embora em melancolia.
E muito embora imperfeita
A vida é feita de pequenas misérias.
A morte é a reunião de todas elas.
Para que não se a desperdice,
Há os enlevos de Florbela Espanca
O ápice do Monte Everest
A sordidez do riso.


Raphael Vidigal

Pintura: "Quarto Azul", de Pablo Picasso. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO