segunda-feira, 18 de abril de 2016

Favas contadas


São favas contadas
O adeus
A esperança
E o primeiro beijo

São favas contadas
O desejo
O amor
E o tiro de misericórdia

São favas contadas
O mistério
A penumbra
E o desespero

São favas contadas
O espanto diante da morte
A perplexidade da vida
E os eternos adeuses

São favas contadas
Esperar no outro
Pedir pelo outro
Morrer por si mesmo

São favas contadas
O pote vazio
O primeiro choro
O peito imenso

São favas contadas
Acreditar na filosofia
Acreditar na política
Morrer pelos mesmos

São favas contadas
Que nada venha duas vezes
Que tudo se repita
Que a vida nunca se complete

São favas contadas
Que a vida se repita
Que os amores regressem
Que nunca se esvazie o peito

São favas contadas
O leite derramado
A madeira de lei
E este poema.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Van Gogh.

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO