sábado, 16 de abril de 2016

Baunilha


Saudade do toque
Da sua pele.
Seu cheiro de leite,
E teu aroma de nuvem.

Saudade da boca
De pêra,
Da tua língua de almíscar.
E teu sabor de anteontem.

Saudade de dividir
O chuveiro.
De se molharem dois corpos,
E dividir nossos sonhos.

Saudade de persistir
No teu corpo,
De erigir monumento
Ante o teu busto de amor.

Saudade de invadir os terrenos,
De lhe doar territórios,
De ser mulher e ser homem.

Saudade de ser senhor da sua guerra,
De ser escravo do teu chicote,
Me ajoelhar na penumbra.

Saudade de invadir a caverna,
Soltar as redes e as manivelas,
Molhar a língua na concha.

Saudade do que passou e permanece,
Como quem sai para o mar,
E tem o sal pela boca.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Manet. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO