quarta-feira, 7 de outubro de 2015

Deus lisérgico



Essa construção assimétrica e midiática da poesia,
Não tem termômetro, não tem farinha, não tem macumba,
Bússola ou compressa quente que dê jeito.
É um fracasso
De audiência.
Está perdida, vive sozinha, em alto mar,
     Como uma náufraga,
     A poesia.
A ampulheta
                        Da poesia
                                        O termômetro
                                                              Da poesia
                                                                                A balança
                                                                                                   Da poesia
                                                                                                                     A bússola
            .................Da poesia..................

Estão marcando horas dos dias
                        Meses dos anos
            Águas das chuvas
                                   Perdeu o senso
Essa poesia!

            Se houvesse ao menos
                        Pra poesia
                  Um Deus lisérgico
                        ou cogumelos...
                        Bumba meu boi!
                        Baixava o santo,
                        Bebia pinga,
                        Um perereco,
                        Espremida é da defesa,
                        Cabeça a prêmio

                        Mais ventilado,
                        Menos ereto
                        Seria o jogo
dos sete erros


e a torre pisa.

Raphael Vidigal

Pintura: "Dolorida", de Antônio Parreiras. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO