segunda-feira, 19 de outubro de 2015

Consternação



Que mundo é este em que vivo?
É um mundo bonito,
e também violento.

É um mundo de angico,
De parede
e cimento.

Que mundo é este em que agora vivo?
É um mundo de andrajos,
e também das serpentes.

Um mundo que escorre,
pelas pontas dos dedos.

É um mundo de Freud,
E também de São Bento.

Que mundo é este em que vivo?
É um mundo de água,
que é sangue e veneno,

um mundo das flores,
das cortinas de ferro.

É o mundo em que a gente,
vai morrer,

simplesmente.

Raphael Vidigal

Pintura: obra de Daumier. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO