quinta-feira, 9 de junho de 2016

Vitória Régia


... Para que a vida vaze...
Neste ato ela te vaze inteira
Este ato líquido
Este acto impronunciável
Candeia, cadente
Para que a vida vaze
... Como uma lua cheia...
Como uma rã sem casa
Uma Vitória Régia
Aberta, molhada
Circunspecta, dilatada
Para que a vida lhe vaze
Inteira
Escorra de seus calcanhares
Escorra por entre os seios
Feito leite pós-parto
E você a vaze
Nela que de ti vaza
Como se fosse teu o peito
Tua a boca ao escorrer do leite
A retroalimentar-se
Para que a vida vaze
E você se ajoelhe
E você agradeça
Enquanto a vida vaza



Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Monet.

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO