sábado, 31 de dezembro de 2016

Amor de Gaveta


Por mais que eu te chame
Você não vem
Eu apronto um vexame
E você nem
Pra me ajudar
A levantar

Se alguém soubesse
Me explicar
Porque faço tanta prece
Pra você ficar
Você não cometeria
Os crimes de todo dia

No final de tudo
Minha loucura me consola
O escândalo é desculpa
Pra agüentar só mais um fora

Você me chama de lixo
Te escrevo poesia
Nosso caso é um capricho
Só amor de gaveta
Me jogou foi na sarjeta
Eu sou vagabundo são
(Sei da minha condição)

No final de tudo
Minha loucura me consola
O escândalo é desculpa
Pra agüentar só mais um fora
           
            Por mais que eu rasteje
            Você não vem
            Eu subo pelas paredes
            E você nem
            Pra me ajudar
            A levantar
           
Se alguém soubesse
Me explicar
Porque faço tanta prece
Pra você ficar
Você não cometeria
Os crimes de todo dia

No final de tudo
Minha loucura me consola
O escândalo é desculpa
Pra aguentar só mais um fora

Você me chama de lixo
Te escrevo poesia
Nosso caso é um capricho
Só amor de gaveta
Me jogou foi na sarjeta
Eu sou vagabundo são

(Sei da minha condição)


Raphael Vidigal

Imagem: foto da banda "A CASA". 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO