terça-feira, 22 de março de 2016

Anacronismo


Não sei vender meu peixe
Porque o meu peixe é poesia
E poesia não se pesca de maduro
Nem nasce ao meio-dia.
Poesia não aceita desaforo,
Muito menos terno, gravata e sapato limpo.
Poesia é um caso sério
Mas não está à venda
Poesia nasce quando quer
E não entrega garantia.
Poesia é coisa de preguiça;
Coisa de banzo;
Indígena
É mais fácil arrancar-lhe um cafuné
Do que moeda, ou crédito à vista.
Poesia é pior do que mulher,
E bem melhor,
           Por princípio...


Raphael Vidigal

Pintura: "O homem de sete cores", de Anita Malfatti. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO