sábado, 4 de fevereiro de 2012

Verde:


“do coração: não soube e digo” Ana Cristina Cesar

Vede o verde em flor?
A roçar nos alvos campos
De brancura incolor?

Chama-se magia esmeralda
A esmerada música
A que se julgou
Sob o deleite dos homens
Que em meio ao jardim sem flores
Inventaram meios de se re-compor

Raphael Vidigal

Escultura: “Roda da Vida”, de G. T. O.

3 comentários:

Bazófias e Discrepâncias de um certo diverso disse...

Gostei, Raphael!

Sua poesia é bastante sinestésica!

Parabéns pelo blog.

abraços

JaqueG disse...

muito legal essa escultura..achei diferente..


http://fuimorarsozinha.blogspot.com/

JaqueG disse...
Este comentário foi removido pelo autor.