quarta-feira, 15 de fevereiro de 2012

Cochicho:


“e vivo como quem despede a raiva de ter visto” Ana Cristina Cesar

És mero cochicho
Esmeros caprichosos
Esmeril compasso
Dentro da fruta de Goya.

Música: Chiquinha Gonzaga.

A vida acaba,
sem fundamento
acaba a vida.

Chuviscos são lágrimas
De anjos que subiram
Aos céus
Em tenra idade

Estamos todos ilhados.

Raphael Vidigal

Pintura: “Terre Écossaise”, de Max Ernst.

5 comentários:

Guru do Metal disse...

legal o poema

http://rocknrollpost.blogspot.com/

Anônimo disse...

massa!!

Andressa C. Miranda

Divulgação brasil disse...

Muito bom, gostei. Vou até sgeuir =D

Alessandra Rezende disse...

Muito gostoso esse poema!


O sofrimento nos ilha... mas na seca, as oportunidades aparecem novamente.

Anônimo disse...

ana cristina cesar é mto foda.

Anna Carolina Pinheiro Lage