domingo, 14 de agosto de 2011

Vida homem:


“Porque eu, meu amor, acho graça até mesmo em clichês” Adriana Calcanhotto e Antônio Cícero em Água Perrier

Essa vida livre não acolhe o homem
Cheio de suas regrinhas cacofonias
E no final uma grande desorganização geométrica
Quem inventou a aritmética arque com as consoantes
Nem só de vogais e sílabas vive o homem!
Nem só pó e si a viva poesia

Raphael Vidigal

Pintura: obra do escultor Amilcar de Castro.

3 comentários:

Poisonique FP disse...

Muito bonito esse verso!

http://www.poisonique.com/

lollyoliver disse...

Esse verso ficou ótimo!
http://lollyoliver.wordpress.com/

Anônimo disse...

eu tava pensando sobre o seu post ... por acaso tem haver com o video dos racionais que eu te mandei ?achei que você gostava do rap, como forma de liberdade de expressão e protesto das pessoas de comunidades ... eu acho que preconceito com ideias, pessoas e formas musicais não podem existir kra .. por mais que doa aquela realidade, é oque acontece

as vzs os veiculos formais de comunicação da midia não mostram e o rap tem um componente de divulgação das injustiças sociais também, como foi a mpb na época da ditadura, o reggae, o rock durante a guerra do vietnan ..

olhar pra essa realidade não é deixar de viver .. é saber que uma mudança é necessaria, nada mais que isso ... criar uma consciência

nem só de poesia vive o homem também ..
um dia agente chega la

Rodrigo Aroeira Braga