quarta-feira, 16 de junho de 2010

Trânsito:


“Assim que se afasta a pessoa se esquece de tudo, só resta o eco vago de um deslumbre atordoante.” Truman Capote

Não entendi quando você olhou pra mim daquele jeito, aquela forma.
Pensei em não desviar o olhar, em tentar escutar o que os olhos e os sinais que fazia com a mão me diziam.
Pensei que talvez nos conhecêssemos de algum lugar, alguma data esquecida dentro de uma caixa de sapatos sem brim.
Que nunca estiveram lá, à bem da verdade.
Pensei também nessa frase: quem quer o bem da verdade?
Enquanto isso você continuava olhando, e rindo.
Rindo, e eu nervoso, branco, com medo sem saber o que vinha medo de onde era medo quem é o medo.
Mas você deixou que eu passasse a seu lado.
E eu não tive coragem, eu fui embora sem sequer dar chance a você de perceber o ar que passava por meus cabelos e arfava da minha boca, suada, fria.
Talvez você soubesse, talvez você ainda saiba.

Raphael Vidigal

Foto: Ana Cristina Cesar, Poeta Brasileira.

5 comentários:

Pissolato disse...

Dá até pra imaginar esse encontro, onde nada nos faz perder aquele frio na barriga quando os olhares se cruzam, perplexos e tímidos
Comenta no meu blog lá Vidigal, pode não estar bom tanto quanto o seu, mas podia dá uma forcinha lá ne? hahaha abraços!

Alessandra Rezende disse...

Nossa, perfeitoo!!!!!!!!!!!!!

Amei esse seu texto, meu bem!

"Pensei que talvez nos conhecêssemos de algum lugar, alguma data esquecida dentro de uma caixa de sapatos sem brim"

"eu fui embora sem sequer dar chance a você de perceber o ar que passava por meus cabelos e arfava da minha boca, suada, fria"

Dá pra viver seu texto nessas partes! Fabuloso! Brilhante!

ju disse...

meus comentarios sao os mais idiotas kkkk vc sabe neh?tipo nivel daquele q eu falei no msn!kkkkkk
mas realmente como a alessandra disse da pra viver partes do texto...alias qm nunca viveu essas partes...eu ja
beijos meu pensador favorito

DIEGO SCORVO disse...

Acho que você devia parar de escrever textos assim, porque depois de tamanha genialidade fica difícil escrever alguma coisa, chega a ser constrangedor.

Você nos motiva e desanima a cada postagem. Começo a ler e penso: quero escrever assim. Quando termino a leitura descubro que jamais serei assim.

Obrigado por nos frustrar todos os dias.

Abraços.

Ricardo Takahashi disse...

Sabe, ela sabe sim. Dá um mé pra ela pra vc ver