terça-feira, 1 de dezembro de 2015

Gabriel García Márquez


Levar o cachorro para passear num domingo de manhã.
Tocar as pernas pela primeira vez.
Cruzar os dedos.
Arrepiar de calor.
Aprender a chupar melancia.
Juntar os caroços pretos.
Pintá-los de batom.
Transformá-los em joaninhas.
Tocar as pernas. Cruzar os dedos.
Arrepiar de frio.
Aprender a linguagem dos coelhos.
A linguagem dos gatos.
E dos passarinhos.
Mexer nas orelhas num dia de frio.
Mexer nas orelhas num dia de calor.
Mexer nas orelhas no primeiro dia;
Das pernas, dos dedos, da melancia.
Rir da chuva.
Suspirar de êxtase.
Soluçar de medo.
Espirrar de gripe.
Ser contido.
Ser cuidado.
Ser beijado.
Ser acolhido.
Ter a febre medida.
Ter a temperatura tirada.
Ter um tempo.
Em silêncio. Sozinho.
Povoar o mundo de encantos, de sinos, de crianças, de filhos.
Povoar o mundo da imaginação.
Povoar o mundo dos bichos.
Voar. Tocar o céu com o mindinho.
Sentir as nuvens de perto; o bafo das nuvens ao alcance dos dedos.
Tocá-las.Vê-las explodir como algodão doce.
Morrer de rir. Morrer de calor. Morrer de suspiro. Estar vivo.
Amar todas as mulheres numa só andorinha.


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Fragonard.  

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO