domingo, 14 de fevereiro de 2016

Altar


Pra quem achou que eu nunca mais ia sofrer por amor
Aí estou eu de novo, ajoelhado nos altares da desgraça.
Pra quem achou que eu era um novo homem, regenerado
Aí estou eu, chorando feito menino, de barriga pra cima,
Como quem pirraça os criadores dos céus, como quem não
Aceita ser aquele para quem o sofrimento deve tornar
Mais sensível. Aí estou eu de novo, baixo astral, agressivo.
Aí estou. Pra quem achou que eu nunca mais fosse sofrer
Por amor. Aí estou eu. Aquele velho poeta vadio.
Revirando lixo, catando vidros, ajoelhado no altar do desespero.
Ajoelhado, como quem não reverencia, mas xinga, rei da
Discórdia, da balbúrdia, da hipocrisia. Rei da blasfêmia
Como um mendigo. Aí estou eu. Aos pedaços, insólito,
Aquele velho poeta vadio. Sofrendo. E o amor feito pó


Raphael Vidigal

Pintura: obra de Goya. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO