quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Para o nada


Me abandonei.
Tirei as calças e o chapéu.
Me abandonei.
Eu ando em mim como Manoel.
Me abandonei.
Meu nome é pássaro e as asas são feitas de letras.
Me abandonei.
Sou um poema e respiro mel.
Me abandonei.
Se alguém me ofende eu retruco chamando de rei.
Me abandonei.
E só os vermes me acenderão.

Raphael Vidigal

Pintura: Obra de Modigliani. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO