sábado, 31 de janeiro de 2015

Apócrifo


Entre o jargão e o palavrão
Há uma série de maus entendidos.
O palavrório serve aos incautos,
O suspensório para os doutorandos.

Mas o riso besta
não se distingue.

Por isto entre o jargão e o palavrão
Põem-se dois pontos: a favor do risco!
A partir de agora “periclitante” e “pau de sebo”,
terão o mesmo sentido.

     Mesmo com a norma não se finaliza
A velha rixa, antiga ninharia,
Entre a palavra e o que significa.

Um se diz falacioso
O outro é uma mentira.
Um usa a retórica,
O outro uma espiga!

Quando o Juiz dos Gramaticais

Exige a todos que se levantem

            PARA A SOLENE DEFINIÇÃO

Não há uma bunda presa à cadeira,

Sequer um glúteo ou um traseiro.

Expiram unânimes (ou seriam todos?)
o mesmo cheiro.
           
   Data Vênia para este momento:

                                        VÃO AS PALAVRAS
                                               MIJAR NO

                                                VENTO!

Raphael Vidigal

Imagem: arquitetura de Gaudí. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO