terça-feira, 2 de junho de 2015

Ópera rock



a harmonia exibiu uma aresta
                        o noturno achou meio estranho.

                                   a pavana, pouco imodesta,
                                               abriu a perna
                                               esacudiu um pano (alguns o chamam de leque).

                        sem entender o prelúdio
                        o interlocutor aderiu ao sono.

Wagner entrou de fresta,
Beethoven por uma soprano,
Paganini das profundezas,
E Berliozpra rimar na história.

            A essa altura invocada
            Debussy, Satie e Ravel
            E Igor Stravinsky, o russo,
            Clamam pelo silêncio,
            Enquanto Mozart lustra o piano.

                                   Tchaikovsky e Chopin
                                   Têm o coração sangrando
                                   O mostram para Allen Poe
                                   Que só faz disso um belo conto.

            a rapsódia está cansada.
            dizem que seu tempo passou.
            tempo na vida e na música
            chega pra qualquer um.
                       
                                   nem a fuga de Bach nos salva
                                   dessa suíte fajuta
                                   com alças nas laterais
                                   a sete palmos de terra.
                       
                        pode chegar de atalho
                        ou pelo caminho mais longo
                        certa é sua presença
                        no réquiem de Fauré
                        ou na minha alma insone...

Vão os homens
Fica a obra.
Mas quem sabe desses nomes?
Talvez toquem numa caixa
Sob os pés da bailarina

No peito de um poeta morto.

Raphael Vidigal

Pintura: "As Confidentes", de Constantin Guys. 

Seja o primeiro a comentar

  ©Caminhos dos Excessos. Template e layout layla-imagem banner: tela de Salvador Dali

TOPO