quarta-feira, 11 de julho de 2012

Manoel de Barros:



“Foi um grande pecado a invenção da consciência. Vamos perdê-la por algumas horas.” F. Scott Fitzgerald 

Poeta do nada, do ínfimo, do inútil...
A que alturas voam-me mil camaleões?
Em que agruras ais os que habitam abutres convés de leões.

Raphael Vidigal

Pintura: “Aventura”, de Albery. 

5 comentários:

Amy disse...

“Foi um grande pecado a invenção da consciência."

Tem horas que é bem assim mesmo rs

Marília disse...

Fitzgerald, como eu amo os livros dele.

Monica Limeira disse...

Fazer o que a gente está afim e nos entregarmos ás nossas vontades é sempre tão bom... infelizmente inventaram essa ""bendita dona""" e aí complica tudo mesmo...acabamos encarcerados nas convenções.Trágico mesmo, se pensarmos por aí!!! Abraços!!!

Guilherme Augusto disse...

Muito boa a frase que introduz o poema... a consciência em certos momentos só atrapalha... :)

Epifânico disse...

O que é a consciência se não uma censura...