terça-feira, 28 de dezembro de 2010

Amor:


“Talvez eu pudesse olhar no seus olhos como eu tô fazendo agora e dissesse que o mundo é tão óbvio que se a morte me tocasse nesse momento seria ainda assim previsível.” cena de “Crime Delicado” na voz de Marco Ricca

A sinceridade não basta.
As pessoas querem ter armas, mas não podem fumar maconha.
A arma é mais violenta que a maconha.
E o amor mais violento que a arma.

(A arma pode ser defesa.
A maconha pode ser defesa.
Mas a arma é mais perigosa.

A arma do policial.
A arma do traficante.
Fere muito mais que a maconha.)

O amor também fere.
E o amor também é defesa.

Eu desperdiço meu amor por aí.
Um amor denso e ás vezes pesado demais para ser carregado.
Um amor livre, de padrasto.
Você foi, só mais um deles.

A necessidade é maior que o amor.
A carência é maior que a necessidade, mais perigosa.
O amor passa.

A vida é feita de incongruências.
Eu sou fatalista.
“Amor é falta de QI, tenho cada vez mais certeza.” Caio Fernando Abreu

A inteligência machuca mais que a verdade.
Eu fiz as escolhas erradas nos momentos certos.

“minha inquietude de agora me põe mais à vontade diante do que já fiz e não tenho vergonha de nenhuma palavra, de nenhuma nota.” Caetano Veloso

Pintura: Auto-retrato, de Pablo Picasso.

Raphael Vidigal

6 comentários:

Mari disse...

Adoreiii! Assim como eu adoro tudo que vc escreve! Tava com saudades daqui mesmo! :)

Thayana disse...

"O amor também fere.. e o amor também é defesa"
Sábias palavras Vidi!
Muito bom como sempre!
Beijo!

Gerciner disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Bia disse...

Adorei Vidi! Como sempre muito bons os seus textos. Parabens! Saudades de vc. Beijos! :)

Bruno disse...

Parabéns campeão

Ricardo Takahashi disse...

O amor é falta de QI.
O poder está nas mãos de quem se importa menos.